Querido, como o tempo passa rápido, não é? Até ontem você dizia que me amava, que não iria me abandonar e me fez prometer que eu nunca iria te deixar. Levou-me para sua casa e me deixou dormir com seu pijama de bolinhas azul. E hoje, acordo com um barulho estranho na sala. Você e seu novo amor. Deve ser bom ter um novo amor, do dia pra noite. Fazer outra pessoa sofrer e nem se importar mais com ela.
                E depois do que você me disse minutos depois de te pegar com outra me fez pensar o quão idiota eu fui de acreditar em tudo o que você me disse, a quão tonta eu fui de retribuir a cada beijo seu. Você disse que eu não era mais importante para sua vida, não passava de mais uma namoradinha insignificante sua.
                Suas palavras me machucaram. Por isso que, sempre que eu te ligava, eu ouvia algumas risadas no fundo. Você sempre me traiu, e eu nunca me importei, porque achei que você era fiel a mim.
                Meu bem, você sabe a altura do meu prédio, não é mesmo? Espero que dê para eu terminar esta carta antes que eu fique sem consciência no meio do meu trajeto. Você sabe, a maioria dos suicidas morre antes de chegar ao chão.
                Décimo oitavo andar. Cobertura do prédio. Estou insegura com essa minha decisão, mas eu irei mostrar que o que você dizia era realidade, eu sou uma insignificante.
                Os vizinhos ouviram os meus berros ao chegar à minha casa. Dona Maria veio bater na porta, perguntar se estou bem. Até tentou me aconselhar, mas deixei escapar meu plano para ela, que tentou me impedir, mas suas palavras entraram por um ouvido e saíram pelo outro. Eu não ia desistir de fazer suas palavras virarem realidade. Por essa consequência, há várias viaturas policiais, ambulâncias e carros de bombeiros cercando o prédio. Há um trampolim gigante também.
                Mas eu sei que meu objetivo é chegar até o chão e deixar meu sangue escorrer e ficar marcado no chão de cimento do playground do prédio. E eu espero que você veja nos jornais e nos noticiários da televisão: “Garota se suicidou por amor”
                Chegou a hora. 15h30, o dia do nosso primeiro beijo. Lembra-se dele? Foi naquele dia, vinte e cinco de novembro de 2008, quando me apaixonei por você. Não pensei que nosso relacionamento duraria muito, mas agora percebi que ele foi só uma mentira, ou pelo menos esse ano, foi tudo em vão.
                O barulho vindo da sirene do carro do policial avisa: Estou caindo. A velocidade na qual caio é bem rápida, mas as coisas ao meu olhar parecem estar em câmera lenta. A mulher do décimo sétimo andar está cozinhando, enquanto o jovem do décimo sexto assiste seus desenhos animados como uma criança.
                Olhei para o céu. Meu amor, você não sabe como a vista está linda. O céu está fechado, e você sabe, eu amo quando o tempo está assim. Apesar de você nunca ter gostado das nuvens tampando o sol e o frio avassalador.
                Como passou depressa, ao me virar para os apartamentos, já estava passando pelo décimo. A garotinha hiperativa estava com a arma de seu pai na mão. Ela tentou acertar seu tiro em mim, mas desviei pela queda. No nono andar, o rapaz tentou me segurar, mas estava numa tremenda velocidade impossível de me segurar.
                O momento de rever minha vida inteira chegou. Estão passando pela minha mente todos nossos beijos, nossas risadas, aqueles aniversários que fomos em 2010, os bares que frequentávamos antigamente, tudo que passamos. Sinto o seu cheiro agora, como se tudo tivesse seu aroma. Queria congelar o tempo nesse exato momento, e que ao descongelar, você me pegaria no colo e prometeria nunca me abandonar e me esquecer.
                Acho que essas são minhas últimas palavras. Amor, eu sempre te amei, desde o nosso primeiro abraçado. Você não sabe quanto, você não sabe como. Até porque, você não me retribuiu esse meu amor. Estou tirando de mim a minha própria vida, para não acabar numa cadeia por homicídio. Sinta-se culpado pela minha morte, pois os noticiários te deixarão traumatizado. Saiba que onde eu estiver, no céu, no inferno, presa em um cemitério ou na sua casa, eu te amo de verdade, e mesmo morrendo, te amarei do mesmo jeito. Espero que tenha dois filhos, como nós queríamos, com uma mulher que seja parecida comigo. Espero que você dê para ela todo o amor que você não me deu. Talvez você segurou-o para dá-lo para a próxima de sua fila, mas não me importa mais. Sabe os nomes das crianças, não é mesmo? Martin e Dianna. Eles estavam já em nossos planos, espero que você não os mude, pela minha lembrança.
                E agora é a hora de eu dizer Adeus. Caída ao chão, sinto que meu corpo já se foi, menos minha alma. Não consigo mover nenhum músculo nem ossos. Sinto sangue sair por todos os lugares possíveis de meu corpo. Caí no lugar que eu queria, na hora que eu queria e em um dia improvisado. Estou viva ainda, somente para te lembrar de que eu não te esqueci de forma alguma, e que sua promessa comigo agora será para toda a eternidade.       (umasuicidaqualquer) 

                Querido, como o tempo passa rápido, não é? Até ontem você dizia que me amava, que não iria me abandonar e me fez prometer que eu nunca iria te deixar. Levou-me para sua casa e me deixou dormir com seu pijama de bolinhas azul. E hoje, acordo com um barulho estranho na sala. Você e seu novo amor. Deve ser bom ter um novo amor, do dia pra noite. Fazer outra pessoa sofrer e nem se importar mais com ela.

                E depois do que você me disse minutos depois de te pegar com outra me fez pensar o quão idiota eu fui de acreditar em tudo o que você me disse, a quão tonta eu fui de retribuir a cada beijo seu. Você disse que eu não era mais importante para sua vida, não passava de mais uma namoradinha insignificante sua.

                Suas palavras me machucaram. Por isso que, sempre que eu te ligava, eu ouvia algumas risadas no fundo. Você sempre me traiu, e eu nunca me importei, porque achei que você era fiel a mim.

                Meu bem, você sabe a altura do meu prédio, não é mesmo? Espero que dê para eu terminar esta carta antes que eu fique sem consciência no meio do meu trajeto. Você sabe, a maioria dos suicidas morre antes de chegar ao chão.

                Décimo oitavo andar. Cobertura do prédio. Estou insegura com essa minha decisão, mas eu irei mostrar que o que você dizia era realidade, eu sou uma insignificante.

                Os vizinhos ouviram os meus berros ao chegar à minha casa. Dona Maria veio bater na porta, perguntar se estou bem. Até tentou me aconselhar, mas deixei escapar meu plano para ela, que tentou me impedir, mas suas palavras entraram por um ouvido e saíram pelo outro. Eu não ia desistir de fazer suas palavras virarem realidade. Por essa consequência, há várias viaturas policiais, ambulâncias e carros de bombeiros cercando o prédio. Há um trampolim gigante também.

                Mas eu sei que meu objetivo é chegar até o chão e deixar meu sangue escorrer e ficar marcado no chão de cimento do playground do prédio. E eu espero que você veja nos jornais e nos noticiários da televisão: “Garota se suicidou por amor”

                Chegou a hora. 15h30, o dia do nosso primeiro beijo. Lembra-se dele? Foi naquele dia, vinte e cinco de novembro de 2008, quando me apaixonei por você. Não pensei que nosso relacionamento duraria muito, mas agora percebi que ele foi só uma mentira, ou pelo menos esse ano, foi tudo em vão.

                O barulho vindo da sirene do carro do policial avisa: Estou caindo. A velocidade na qual caio é bem rápida, mas as coisas ao meu olhar parecem estar em câmera lenta. A mulher do décimo sétimo andar está cozinhando, enquanto o jovem do décimo sexto assiste seus desenhos animados como uma criança.

                Olhei para o céu. Meu amor, você não sabe como a vista está linda. O céu está fechado, e você sabe, eu amo quando o tempo está assim. Apesar de você nunca ter gostado das nuvens tampando o sol e o frio avassalador.

                Como passou depressa, ao me virar para os apartamentos, já estava passando pelo décimo. A garotinha hiperativa estava com a arma de seu pai na mão. Ela tentou acertar seu tiro em mim, mas desviei pela queda. No nono andar, o rapaz tentou me segurar, mas estava numa tremenda velocidade impossível de me segurar.

                O momento de rever minha vida inteira chegou. Estão passando pela minha mente todos nossos beijos, nossas risadas, aqueles aniversários que fomos em 2010, os bares que frequentávamos antigamente, tudo que passamos. Sinto o seu cheiro agora, como se tudo tivesse seu aroma. Queria congelar o tempo nesse exato momento, e que ao descongelar, você me pegaria no colo e prometeria nunca me abandonar e me esquecer.

                Acho que essas são minhas últimas palavras. Amor, eu sempre te amei, desde o nosso primeiro abraçado. Você não sabe quanto, você não sabe como. Até porque, você não me retribuiu esse meu amor. Estou tirando de mim a minha própria vida, para não acabar numa cadeia por homicídio. Sinta-se culpado pela minha morte, pois os noticiários te deixarão traumatizado. Saiba que onde eu estiver, no céu, no inferno, presa em um cemitério ou na sua casa, eu te amo de verdade, e mesmo morrendo, te amarei do mesmo jeito. Espero que tenha dois filhos, como nós queríamos, com uma mulher que seja parecida comigo. Espero que você dê para ela todo o amor que você não me deu. Talvez você segurou-o para dá-lo para a próxima de sua fila, mas não me importa mais. Sabe os nomes das crianças, não é mesmo? Martin e Dianna. Eles estavam já em nossos planos, espero que você não os mude, pela minha lembrança.

                E agora é a hora de eu dizer Adeus. Caída ao chão, sinto que meu corpo já se foi, menos minha alma. Não consigo mover nenhum músculo nem ossos. Sinto sangue sair por todos os lugares possíveis de meu corpo. Caí no lugar que eu queria, na hora que eu queria e em um dia improvisado. Estou viva ainda, somente para te lembrar de que eu não te esqueci de forma alguma, e que sua promessa comigo agora será para toda a eternidade.       (umasuicidaqualquer) 


Photo postado em 30/08/2012 às 7:17pm | 7 notes | (reblogue this!)

(Source: hotwhitesnow, via nevou)


Photo postado em 25/05/2012 às 5:25pm | 3,709 notes | (reblogue this!)

(Source: nevou)


Vídeo postado em 25/05/2012 às 5:24pm | 296 notes | (reblogue this!)

(Source: pequenos-retalhos, via nevou)


Photo postado em 25/05/2012 às 5:24pm | 11,127 notes | (reblogue this!)

(Source: s-acrifice, via nevou)


Photo postado em 25/05/2012 às 5:24pm | 8,640 notes | (reblogue this!)
Eu sou uma idiota, uma completa idiota. Eu não sei me expressar, e acabo dizendo coisas que não tem sentido algum. Eu não penso antes de falar. Meu coração quebra fácil, sou uma tola e não posso mudar meus ocnceitos, já que foram falados sem serem expressados direito. Agora? Eu tenho que aturar essa dor imensa dentro de mim, e já dói só se pensar que eu não sou mais nada pra você, que eu fui esquecida, ou pior: Que eu te magoei. Porque eu te amo, e nunca quis nem nunca tive a intensão de te magoar, e agora, o que resta de mim, são cacos de um coração quebrado em mil pedaços, prontos para serem enterrados.      (umasuicidaqualquer)

Eu sou uma idiota, uma completa idiota. Eu não sei me expressar, e acabo dizendo coisas que não tem sentido algum. Eu não penso antes de falar. Meu coração quebra fácil, sou uma tola e não posso mudar meus ocnceitos, já que foram falados sem serem expressados direito. Agora? Eu tenho que aturar essa dor imensa dentro de mim, e já dói só se pensar que eu não sou mais nada pra você, que eu fui esquecida, ou pior: Que eu te magoei. Porque eu te amo, e nunca quis nem nunca tive a intensão de te magoar, e agora, o que resta de mim, são cacos de um coração quebrado em mil pedaços, prontos para serem enterrados.      (umasuicidaqualquer)


Photo postado em 25/05/2012 às 5:24pm | 1 note | (reblogue this!)

(Source: occultdesires, via nevou)


Photo postado em 25/05/2012 às 5:08pm | 3,674 notes | (reblogue this!)


Photo postado em 19/05/2012 às 11:17am | 139,669 notes | (reblogue this!)

Photo postado em 6/05/2012 às 6:33pm | 3 notes | (reblogue this!)

Photo postado em 6/05/2012 às 6:25pm | 2 notes | (reblogue this!)
1 of 2 1 2 »